Caçador é morto por elefante e devorado por leões na África do Sul.

09-04-2019 14:48
 

Um caçador que tentava matar rinocerontes de maneira ilegal no Parque Nacional Kruger, na África do Sul, foi morto após ser pisoteado por um elefante: posteriormente, seus restos mortais foram devorados por um grupo de leões que vivem no local.

De acordo com informações da rede britânica BBC, outros caçadores estavam na região e presenciaram o momento do ataque do elefante. A família do homem foi contatada, assim como a guarda florestal responsável pela segurança do Parque Nacional Kruger. Após a realização de buscas no local em que teria ocorrido o incidente, a administração do parque nacional confirmou a morte do caçador: foi encontrado o seu crânio e itens pessoais, como um par de calças. 

"Entrar no Parque Nacional Kruger ilegalmente e a pé não é uma boa decisão", afirmou em nota a direção do parque. "Há muitos perigos e esse incidente é prova disso". O parque tem uma área de quase 20 mil quilômetros quadrados e foi criado em 1926. 

Caçadores ilegais invadem os parques africanos em busca de chifres de rinocerontes, que são utilizados em compostos medicinais na Ásia. Embora a ciência nunca tenha encontrado nenhuma evidência do benefício do uso dos chifres, o valor pago pelo item é muito alto: em agosto do ano passado, a polícia da Malásia encontrou 50 chifres transportados de maneira clandestina que teriam como destino o Vietnã — a carga foi avaliada em quase R$ 50 milhões. 

Todas as espécies de rinocerontes estão sob ameaça de extinção, segundo a União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN). O comércio internacional de chifres de rinoceronte foi proibido em 1977 pela Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas de Fauna e Flora Silvestres (CITES). 

Voltar