Juro negativo: na Europa e Japão, a pessoa paga para investir. Por quê?.

01-09-2019 23:33

Getty Images/iStockphoto

Você está reclamando dos juros baixos na hora de investir em títulos públicos? Já pensou se, em vez de pagar juros, o governo cobrasse para guardar o seu dinheiro? Em alguns países, isso acontece de fato. Enquanto os brasileiros ainda estão se adaptando a uma nova realidade na renda fixa, com a taxa básica (Selic) no menor valor da história, de 6% ao ano, investidores na Europa e no Japão convivem com taxas de juros negativas há alguns anos. No Japão, a taxa está em -0,1% ao ano. Na Suíça, é -0,75% ao ano

Na prática, é como se a pessoa tivesse que pagar para investir seu dinheiro em títulos públicos", afirmou Michael Viriato, professor do Insper. O objetivo do juro negativo é evitar que o dinheiro fique parado nos bancos. "Como esses países estão crescendo em um ritmo muito lento, os governos querem forçar as pessoas a gastar o dinheiro em vez de deixar aplicado. É uma forma de tentar estimular a atividade econômica", disse Viriato. Se um título europeu oferece, por exemplo, rendimento de -0,4% ao ano, então, a cada 100 euros aplicados, o investidor perde 40 centavos de euro por ano. Isso sem considerar os efeitos da inflação que, apesar de ser muito baixa nesses países, também faz o dinheiro perder valor.

Herança da crise de 2008 Taxas de juros próximas ou iguais a zero, ou mesmo negativas, não são exatamente uma novidade no mundo. O Japão já adotou juro zero no início dos anos 2000. A situação atual é reflexo da crise financeira de 2008, que freou a atividade econômica global e forçou os principais bancos centrais —dos Estados Unidos, Europa e Japão— a reduzir drasticamente os juros básicos de suas economias para minimizar os efeitos da crise. Os Estados Unidos superaram a crise e voltaram a mostrar crescimento, enquanto as economias do Japão e de vários países da Europa seguiram patinando nos últimos anos.

Agora, o início de uma guerra comercial entre os norte-americanos e a China acendeu o alerta para o risco de uma nova onda de recessão global.

Entenda a lógica de investir com taxas negativas

 

 O que levaria um investidor a comprar um título público que rende uma taxa de juro negativa? Há duas razões. A primeira é porque o custo de simplesmente manter o dinheiro parado na conta-corrente é maior do que comprar um título com juro negativo. Os bancos na Europa cobram taxas de manutenção sobre contas paradas", disse o professor William Eid Junior, coordenador do Centro de Estudos em Finanças da FGV (Fundação Getulio Vargas). "A segunda razão é a expectativa de que as taxas possam cair ainda mais. Se o juro cair, o preço do título sobe, e você tem um ganho financeiro se resgatar o título naquele momento", afirmou Eid Junior. Segundo o professor da FGV, o que explicaria uma nova queda dos juros —e a consequente valorização dos títulos— seria o medo de piora da situação econômica desses países.

Argentina: 74% ao ano

 Austrália: 1% ao ano

 Brasil: 6% ao ano

 China: 4,35% ao ano

 Comunidade Europeia: zero (taxa de depósitos de -0,4% ao ano)

 Dinamarca: 0,05% ao ano

 Estados Unidos: 2,25% ao ano

 Inglaterra: 0,75% ao ano

 Japão: -0,1% ao ano

 México: 8% ao ano

 Rússia: 7,5% ao ano

 Suécia: -0,25% ao ano

 Suíça: -0,75% ao ano

 Turquia: 19,75% ao ano... - 

Voltar