Medo de ficar só faz com que busquemos qualquer relação.

19-03-2019 19:28

Dr. Cristiano Nabuco

O medo de ficar só é um forte estímulo, tanto para mulheres como para homens, para que desenvolvam relacionamentos pouco estimulantes. O resultado é de uma pesquisa conduzida na Universidade de Toronto, com uma ampla amostra de mulheres e de homens (americanos e canadenses de várias origens étnicas e de variadas idades), publicada no Journal of Personality and Social Psychology.

Os pesquisadores afirmam que, se uma pessoa está muito tempo solteira, ela tenderá naturalmente a ficar menos crítica em relação aos seus relacionamentos, engajando-se em qualquer tipo de relação amorosa. O curioso é que mesmo estando não satisfeitas e, inclusive, "sabendo" que os seus pares românticos não são aquilo que esperavam, elas ainda assim permanecem em seus relacionamentos.

De certa forma, creio eu, o nível de ansiedade causado pela "solteirice" é tão impactante que as pessoas preferem ficar em relacionamentos de baixa qualidade do que correrem o risco de acabarem ficando sozinhas. Mas qual seria a razão para que estas pessoas aceitem qualquer coisa, você saberia dizer?

Eu esclareço

Diferença entre apego e afeto.

Temos operando em nosso cérebro um sistema automático e muito primitivo que, desde nossos antepassados, nos faz buscar a proteção do outro. Esse "impulso mental" pode ser visto operando também nos animais e explica o fato de andarem em bando, pois junto com o grupo, a alimentação, o acasalamento e a proteção se dão de forma mais efetiva, garantindo uma maior sobrevivência.

Assim sendo, igualmente nos humanos, quando crescemos, também buscamos instintivamente apoio e proteção de nossos pais para que depois, com a passagem do tempo, possamos perseguir na vida adulta uma nova figura de apego que nos proteja. No caso, os parceiros românticos.

Desta maneira, biologicamente falando, o mecanismo de apego sempre se manifesta antes do afeto, pois primeiro precisamos nos sentir protegidos para depois podermos estar seguros para gostar de alguém. Isso equivaleria dizer: a existência de uma "lei de sobrevivência" cerebral, ou seja, a busca de apoio vem sempre antes.

Vejamos, quando o sentimento de proteção se faz manifesto, portanto, ficamos livres para estarmos ligados (afeiçoados) a alguém. Perceba, assim, que, sentir-se protegido, não é a mesma coisa do que sentir-se querido, pois são circuitos mentais distintos que são acionados.

Entretanto, as coisas nem sempre saem como esperado. 

Nosso cérebro sempre nos impulsiona a desenvolver relações de apego e busca de segurança, mesmo naqueles casos onde o apego recebido não é dos mais expressivos.

Assim, muitas vezes, gostamos de uma pessoa, mas não nos sentimos tão protegidos por ela. Isso explicaria, em parte, por que muitos indivíduos desenvolvem relações paralelas (casos extraconjugais) com outras figuras. Em uma pessoa se manifesta o apego e em outra o afeto.

As relações mais duradouras ou, se você preferir, as mais longevas, são, na verdade, aquelas nas quais a figura de afeto é ocupada pela mesma figura de apego. Isto é, equivale dizer que conseguimos gostar de alguém que também nos traz a sensação de proteção. 

Desta forma, as relações românticas mais satisfatórias são aquelas que nos fornecem ambas as coisas (sensação de afeto junto com a de apego) e que são popularmente denominadas de "relações de cumplicidade". Moral de história: nestes casos, gostamos de alguém que também nos protege.

Ficou mais claro agora? Não é difícil.

Conclusão 

Portanto, a pesquisa canadense apenas demonstra que na ausência de uma boa figura de afeto, acabemos nos contentando com uma que, pelo menos, nos forneça sensação de proteção, ainda que fiquemos infelizes. Isso explica também a razão pela qual sempre temos algum conhecido que passa uma vida inteira com alguém que não lhe traz a felicidade, ou seja, ainda que não exista afeto evidente, possivelmente existe a percepção desta pessoa de um sentimento de proteção.

Quem já não ouviu falar de algum cônjuge que a confiança no parceiro "acabou"? Mas ainda assim, lá permanece o casal, junto, por anos a fio. Enfim, esses são alguns dos dilemas que nossa herança antepassada nos dá para resolver, isto é, o medo de ficar só faz com que nos contentemos com qualquer relação.

Voltar